MANIFESTO POR BLUMENAU
A despedida do Controversas

Controversas e Pitorescas. Esse era o nome desta página em 22 de outubro de 2007, quando o blog foi lançado. Criado para analisar o cotidiano de Blumenau, o Controversas (nome adotado a partir de 2009) migrou das notícias do dia-dia para a política, acompanhando e palpitando sobre os bastidores do poder na cidade.

De 2009, quando o site ganhou caráter político, para cá, pouca coisa mudou nos bastidores do poder. Tivemos uma troca de prefeitos em 2012, quando um vereador da base aliada do antecessor assumiu o cargo. Na prática, PSD e PSDB nunca deixaram o poder em Blumenau, adotando uma visão política parecida, com baixos investimentos em transporte coletivo, com uma mobilidade urbana voltada aos carros, com o esquecimento das regiões periféricas. Blumenau ostenta desde o censo de 2010, o título de cidade número 1 de Santa Catarina em número de habitantes morando em favelas. E muito pouco foi feito para mudar esse cenário.

Na Câmara de Vereadores, as eleições de 2012 trouxeram poucas mudanças. Boa parte do legislativo blumenauense continua atuando como despachante de eleitores no Executivo, focando os discursos em problemas pequenos e saudações aos amigos, tornando as sessões legislativas uma "Rádio AM". Os assuntos de real relevância da cidade são tratados com superficialidade, salvo raras exceções. Um desinteresse que pode ter origem na falta de capacidade para discutir os assuntos ou no mesmo de mexer com assuntos realmente polêmicos.

A política blumenauense não andou e não deve andar. Olhe para os nomes apresentados para 2016: projeta-se um segundo turno novamente entre os finalista de 2012. No Legislativo, são poucos os que acreditam numa mudança significativa.

E fora da política?

Bom, fora da política a cidade mudou. E mudou muito de 22 de outubro de 2007 para cá. A ausência do Festival Internacional de Teatro Universitário de Blumenau (Fitub) uniu a classe artística que promoveu o Nosso Inverno, virada cultural ocorrida em agosto de 2009. O Nosso Inverno foi a semente para o Colmeia, um coletivo de artes que também ocupa um final de semana no Teatro Carlos Gomes, para levar arte gratuita e mostrar a força da arte blumenauense. Um projeto inclusivo, anárquico, solidário, que entusiasma organizadores e público. O idealizador, Clóvis Truppel, infelizmente não está mais entre nós, mas seu espírito continua na arte local.

Blumenau, a cidade vanguarda do passado, que registrou a primeira rádio e a primeira televisão de Santa Catarina, voltou a se ousar. A cidade foi a segunda brasileira a receber o 100em1dia, festival de cidadania com intervenções espalhadas pelo município em 30 de maio de 2015. A primeira foi o Rio de Janeiro, mas a nossa edição teve muito mais atrações confirmadas.

A nossa cidade também entrou no circuito Nossas Cidades e ganhou o Minha Blumenau, uma ONG que tem como objetivo auxiliar e promover as mobilizações sociais em prol do município. A iniciativa no país começou por Rio e São Paulo e no ano de 2015 oito cidades foram selecionadas para receber a proposta. Os blumenauenses mobilizaram-se por duas semanas para conseguir os recursos necessários para instalação do projeto.

O Festival da Cerveja, que teve um teste em 2005, voltou a ser realizado em 2010 e desde então tornou-se uma referência nacional. A cidade possui hoje seis cervejarias artesanais, várias delas premiadas internacionalmente, tornando-se um polo cervejeiro. A gastronomia se firmou como principal força do turismo local e o Parque Vila Germânica como o locam mais procurado, movimentando mais gente durante o ano que na Oktoberfest.

De 2007 para cá, a cidade ganhou bares e opções gastronômicas de destaque como Butiquin Wollstein, Factory Coffe Bar, Amantes do Café, Nana Hamburgueria Artesanal, Machu Picchu Mate e Moitilas Bar. Diversificou-se na noite com opções de rock, pop, samba, blues, MPB, entre outros estilos.

Os movimentos sociais vem ganhando força nos últimos anos. A ABC Ciclovias, o Movimento da Consciência Negra Cisne Negro, o Coletivo LGBT Liberade e o Coletivo Feminista Casa da Mãe Joana viram notícia na mídia, impulsionando os ativistas de direitos humanos e irritando aqueles que querem ver a cidade andar para trás. O coletivo feminista impressionou com um manifesto contra os projetos de Eduardo Cunha em um sábado de manhã.

Se a mobilidade urbana sempre teve o carro como foco, Blumenau viu crescer o número de ciclistas, viu usuários de transporte coletivo criarem uma associação para defesa dos seus direitos e viu o sindicato dos motoristas e cobradores unido e determinado, assustando os poderosos da cidade.

Mas por que a política não pertence aos movimentos citados?

É um processo. A política é o reflexo da nossa sociedade, mas um reflexo lento, demora para refletir. O que a sociedade está fazendo hoje vai impactar na política do futuro próximo. Mas não pensamos que tudo são flores no lado de cá. Ainda temos segmentos atrasados, contrário as mudanças e inovações. É hora de fortalecer aqueles que tiraram a bunda da cadeira e se mexeram para fazer uma cidade melhor. É hora de conectar aqueles que fazem a hora, não esperam acontecer.

O Controversas cumpriu sua missão nos últimos oito anos, mais especificamente nos últimos seis, de denunciar e apontar o dedo para os problemas da sociedade blumenauense. Chegou a hora de dar um passo a frente, de fazer um jornalismo em prol do município, em prol dos protagonistas dessa nova Blumenau que surge.

Esse jornalismo dedicado aos eventos e iniciativas, preocupado em valorizar as histórias dos blumenauenses que fazem, em discutir soluções para os problemas que já sabemos quais são, terá uma outra bandeira, uma outra marca.

Não é a controvérsia que buscaremos daqui por diante. Vamos buscar as soluções, contribuir através do jornalismo para que Blumenau seja uma cidade para as pessoas, uma cidade mais humana, uma cidade plural.

Agradecemos a todos que acompanharam o Controversas nesses dois anos. O site entra em stand by pelos próximos meses para dar lugar ao CIDADE PLURAL, um misto de revista online com blog, focado em contribuir com o desenvolvimento econômico, social e humano de Blumenau.

O Cidade Plural entra no ar na segunda quinzena de fevereiro, mas você já pode acompanhar o site pelas redes sociais: facebook.com/cidadeplural, twitter.com/cidadeplural, instagram.com/cidadeplural. Adicione cidadeplural também no Snapchat e Periscope.

MAIS UMA VEZ, OBRIGADO!

Giovanni Ramos
Jornalista