Blumenau 160: o trânsito

Obras fora de hora. A prefeitura adora atrapalhar o já tumultuado trânsito blumenauense. (foto: Jaime Batista da Silva)

Sou um daqueles blumenauenses chatos, bairristas. Nascido e criado aqui na terrinha, já tive diversas propostas para me mudar e ir trabalhar em outras cidades, ganhando mais e trabalhando em empresas melhores. Mas não troco esse meu pedaço de terra por nada.

E é por isso mesmo que fico tão irritado quando o nosso próprio povo desmerece a nossa cidade. E pior que isso, quando as pessoas que estão aqui para nos representar, fazem alguma grande burrada. E é por isso, também, que sou um crítico incansável da nossa Prefeitura, deste pífio segundo mandato de JPK, de órgãos absurdamente mal organizados como Seterb e Samae, da vergonha que é o monopólio que temos na comunicação, no transporte público e nos postos de combustível.
Então enumero abaixo, seguindo a proposta do Controversas nesse aniversário de 160 anos da cidade, os principais problemas que vemos atualmente em Blumenau, que me irrita profundamente. Mas preciso de pelo menos uns 10 posts para falar tudo.  Vou começar pelo mais natural: falar do trânsito. É o problema que mais nos irrita diariamente. O difícil, nesse caso, é conseguir entender e abreviar para caber aqui os problemas do trânsito de Blumenau, que são muitos. Então vamos lá:
1) Respeito.
Comecemos pelo principal: falta de respeito. Blumenauense, um povo alemão e grosso por natureza, não respeita ninguém no trânsito. Isso faz com que pensemos sempre em nós primeiro, e acabemos por nos esquecer que tem outras pessoas na rua junto com a gente. É por isso que blumenauense adora ultrapassar pela direita, xingar o motorista da frente que anda devagar, trocar de pista sem dar sinal
2) Falta de planejamento.
Essa é a cereja do bolo do descaso de governo blumenauense com o trânsito. Tal esquina está com o trânsito muito atravancado? Mete uma sinaleira lá, ou uns tachões, ou muda a via de tráfego… sem nenhum estudo antes! A secretaria de planejamento urbano simplesmente faz as coisas por conhecimento empírico, fazem obras e pintam ruas como quem escova os dentes. É preciso se pensar a cidade para hoje, para amanhã e para daqui a 40 anos. Toda mudança afeta diretamente na vida de todos os envolvidos.
3) Falta de vias.
Blumenau concentra-se inteiramente no bairro central da cidade. Isso faz de nós, na prática, uma cidade igual a Ilhota: temos apenas 3 ruas. Todo o trânsito da cidade se divide entre rua 7, rua 15 e Beira Rio. É óbvio que o trânsito se tornará um caos. É preciso descentralizar Blumenau. E eu não tô falando de chamar o LHS não.
4) Auto-escola.
Os Centros de Formação de Condutores de Blumenau são treinados para formar condutores. Não para ensinar a dirigir. Tanto que direção defensiva é artigo de luxo por estes lados. Funcionando da mesma forma que boa parte das faculdades particulares, é só pagar que você passa, o que vai resultar em maus motoristas nas nossas ruas.
5) Horário de pico.
Presos num estilo de vida capitalista ao extremo, em que você vale o que você trabalha, todas as empresas de Blumenau fixam os horários de trabalho de seus funcionários no mesmo horário. Isso faz com que todos os trabalhadores precisem chegar e sair do trabalho ao mesmo tempo, por sinal, coincidindo com o horário de saída das aulas da tarde e de entrada das aulas de noite. Resultado: caos.
6) Incentivo ao uso de veículos particulares.
Com uma passagem de ônibus absurda de cara, e um serviço que não recebe investimentos há muitos anos, parado no tempo, o blumenauense não se sente compelido a enfrentar latas de sardinha lotadas para chegar ao trabalho de ônibus. Some isso ao calor absurdo no verão, ao tempo úmido e ao preço baixo e facilidades de financiamento. Cada blumenauense tem seu próprio carro. Parado no congestionamento, é claro.
Por hora, é só. Mais reclamações de um blumenauense orgulhoso nos próximos dias.
Produzido em WordPress | Por: Giovanni Ramos