Bastidores: uma nova tríplice aliança?

NOVA TRÍPLICE?
Conversei semana passada com um membro do novíssimo PSDEM da região sobre as eleições no Médio Vale. Sobre Blumenau, ele disse: “O PMDB deve vir conosco, mas o PSDB vai ser difícil, já que o Napoleão está com a candidatura adiantada. É mais fácil trazer o PP que os tucanos“. Mais fácil o PP? Quer dizer, então, que podemos ter uma nova tríplice?

E O PMDB?
Parte do recém criado PSDEM conta com o PMDB na aliana de 2012. E a legenda do governador está fazendo de tudo para manter o aliado. O problema é que uma parte dos peemedebista já fecharam com o Napoleão Bernardes (PSDB). Se o PSDEM conseguir, poderá ter o tempo de TV, mas não o PMDB inteiro.

CADÊ O ZECA?
Fiz uma rápida visita ao evento de filiação do Ivan Naatz ao PDT na última sexta-feira. Estavam presentes, as principais lideranças do partido e os presidentes municipais do PT (Jefferson Forest), PP (João Pizzolatti Neto) e PCdoB (Márcio dos Têxteis). No entanto, o vereador brizolista Zeca Bombeiro não apareceu.

CADÊ O ZECA? (2)
Questionei o presidente do PDT de Blumenau, Roberto da Luz, sobre a ausência do vereador. “Boa pergunta”, respondeu. No outro dia, o dirigente soltou no twitter: “Foi sentida a ausência do ver. @Zeca_Bombeiro durante a filiação de @ivannaatz . PDT não colocará obstáculos a possível saída do edil.” 

MAIS VEREADORES?
O que se fala nos bastidores da Câmara é que a gigante maioria dos vereadores defende o aumento de vagas no Legislativo, não para 23, conforme permitido por lei, mas para 21, como funcionava até 2004. A pressão da opinião pública (leia-se empresários e mídia, porque o povo não está nem aí) é que pode mudar o quadro.

MAIS VEREADORES? (2)
Não vejo problemas em aumentar o número de vagas na Câmara. É interessante aumentar a representatividade, permitindo que lideranças cheguem ao Legislativo sem precisar de tantos recursos financeiros na campanha. Também diminui as chances do Executivo deitar e rolar na aprovação de projetos. AUMENTO DE GASTOS? Bom, a Câmara pode cortar gastos em outros lugares para compensar. Por exemplo, o número de assessores por vereador. Hoje, são cinco por parlamentar. Dois já estariam bom.

Produzido em WordPress | Por: Giovanni Ramos